Keep us connected

The President of the Republic said today at the United Nations in New York that Portugal was the first country to commit to being carbon neutral by 2050 and called for urgency in the global fight against climate change.

“Too much time has been lost. Complacency and indifference are no longer tolerable,” he said.

Marcelo Rebelo de Sousa was speaking at the Climate Action Summit, convened by UN Secretary-General António Guterres, to present concrete plans to meet the objectives set by the Paris Agreement.

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa (E), cumprimenta o secretário-geral da Organização da Nações Unidas (ONU), António Guterres (D),
The President of the Republic, Marcelo Rebelo de Sousa (E), greets the Secretary-General of the United Nations (UN), António Guterres (D), UN PHOTO/EVAN SCHNEIDER/LUSA.

“We were the first to commit to being carbon neutral by 2050 by adopting and implementing the 2050 Carbon Neutrality Roadmap as a long-term strategy for reducing greenhouse gas emissions, which we presented a year ago. progress, “he said in front of dozens of world leaders.

“And for one simple reason: because there is no Portugal B, and there is no planet B,” he added. (See @ 3:38:45 of the video)

In his short speech, Marcelo Rebelo de Sousa briefly presented the Roadmap for Carbon Neutrality 2050 which was approved by the Council of Ministers in its final version in June this year, after a period of public discussion.

The President of the Republic noted that carbon neutrality by 2050 will be achieved “through the full decarbonization of the electro power system and urban mobility and through the enhancement of carbon sequestration capacity by forests and other land uses”.

“The next decade is critical. So we reinforced our ambition for 2030 intending to reduce greenhouse gas emissions by 50% compared to 2005, meeting an energy efficiency target of 35%, and having 80 % of electricity generated from renewable energy sources, including the total elimination of coal,” he said.

Other Feel Portugal articles

The President also stated that Portugal has already achieved 54% of renewable energy in electricity production, imposed a carbon tax, began to eliminate subsidies to fossil fuels, and is repairing the degradation of marine ecosystems.

“Our goal is carbon neutrality by 2050, involving civil society, the private sector, preserving natural habitats and biodiversity and creating jobs,” he said.


Artigo em Português

Portugal foi o primeiro a comprometer-se a ser neutro em carbono até 2050 – Marcelo 

Nova Iorque, 23 set 2019 (Lusa) – O Presidente da República afirmou hoje, nas Nações Unidas, em Nova Iorque, que Portugal foi o primeiro país a comprometer-se a ser neutro em carbono até 2050 e pediu urgência no combate global às alterações climáticas.

“Já se perdeu demasiado tempo. A complacência e a indiferença já não são toleráveis”, considerou.

Marcelo Rebelo de Sousa falava na Cimeira da Ação Climática, convocada pelo secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, para que sejam apresentados pelos participantes planos concretos para cumprir os objetivos estabelecidos no Acordo de Paris.

Marcelo Rebelo de Sousa, President of Portugal and Antonio Guterres
Marcelo Rebelo de Sousa, and Antonio Guterres at United Nations

“Nós fomos os primeiros a comprometer-nos a ser neutros em carbono até 2050, adotando e implementando o Roteiro para a Neutralidade Carbónica 2050 como estratégia de longo prazo para a redução das emissões de gases com efeito de estufa, que apresentámos com um ano de avanço”, afirmou, perante dezenas de líderes mundiais.

“E por uma simples razão: porque não há Portugal B, e não há planeta B”, acrescentou. (Ver @ 3:38:45 do video)

Na sua curta intervenção, Marcelo Rebelo de Sousa apresentou de forma sintética o Roteiro para a Neutralidade Carbónica 2050 que foi aprovado em Conselho de Ministros na sua versão final em junho deste ano, depois de um período de discussão pública.

O Presidente da República referiu que a neutralidade carbónica até 2050 será alcançada “através da total descarbonização do sistema eletroprodutor e da mobilidade urbana e através do reforço da capacidade de sequestro de carbono pelas florestas e por outros usos do solo”.

“A próxima década é crítica. Por isso, reforçámos a nossa ambição para 2030 com o objetivo de reduzir as emissões de gases com efeito de estufa em 50% em comparação com 2005, atingir uma meta de eficiência energética de 35%, e ter 80% da eletricidade gerada por fontes de energia renovável, incluindo uma total eliminação do carvão”, salientou.

Outros artigos no Feel Portugal

O Presidente da República referiu ainda que Portugal já alcançou 54% de energias renováveis na produção elétrica, impôs uma taxa de carbono, começou a eliminar os subsídios aos combustíveis fósseis, e está a reparar a degradação dos ecossistemas marinhos.

“O nosso objetivo é a neutralidade carbónica até 2050, envolvendo a sociedade civil, o setor privado, preservando os habitats naturais e a biodiversidade e criando emprego”, resumiu.

IEL // ACL
Lusa/Fim

Share.

About Author

Leave a Reply