Keep us connected

“No dia de São Martinho vai-se à adega provar o vinho” is an old saying used at this time of year in Portugal. Saint Martin’s day, on November 11th, is when winemakers taste the new wine of the year. It is traditionally served with roasted chestnuts called “Magusto“.

Feel Portugal Magazine recently visited Running Brook Vineyard & Winery.  We entered the property off of a picturesque country road lined with trees and stone walls. Pedro Teixeira, a Portuguese dentist in Pawtucket, RI, and his wife Manuela welcomed us with open arms for a tour of their winery and a tasting of some of the wines and spirits they produce.

Running Brook Vineyard and Winery in North Dartmouth, Massachusetts

It was harvest season, a busy time of the year when vineyard visitors can see the grapes being snipped from vines by field workers who then bring them to the winery for crushing and pressing. Once inside the winery, they can taste a wide variety of locally produced quality wines.

As we entered the winery, we found Manuela bottling a limited batch of Cabernet Sauvignon from the 2017 harvest. While we waited for Pedro, Manuela told us about Pedro’s passion for winemaking. It all started with his grandfather’s influence when he was younger. He would help his grandfather and enjoyed walking through the vineyards with him.

Pedro and Manuela left São Jorge island in the Azores. Pedro left with his parents when he was 2 years old and Manuela when she was 22. The two met in California and married while Pedro was going to college. They then moved to Ohio where Pedro went to dental school. After his graduation, both moved to the East Coast where they established a dental office. “We feel at home here,” said Manuela.

The idea of having a vineyard started at the dental office. Pedro enjoyed having conversations with many of his patients who had grape vines in their yards. One day he met Manuel Morais, one of his patients, who was knowledgeable about grapes and had developed a vineyard pruning style for cool-climate viticultural regions called “tall grafts”, a process that Pedro will explain to us later.

The two visited many vineyards and wineries and decided to start growing Vitis Vinifera grapes to produce premium wines in Southeastern New England. In 1998 Pedro Teixeira and Manuel Morais purchased land in Westport, MA. They later purchased 167 acres of land in North Dartmouth, MA and built the existing structure where the winery is now located. In 2015 Morais retired from Running Brook and moved to North Carolina, and Teixeira continued at the vineyard.

“Making wine in stainless steel, glass or plastic containers is not the same thing as in wood barrels … fermentation dictates the quality of the wine.”

Pedro spends his time between his dental office and Running Brook Vineyard. As he walked over to us, with a big smile, Pedro said, “Today is my day off and this is my stress relief.” He went on and started telling us about the challenges and successes of operating a vineyard and winery in the cooler weather of New England.

While Manuela and Ian Edwards, the Operations Manager, were still bottling the Cabernet Sauvignon, Pedro pointed to two small oak barrels and said, “They say we can’t grow these grapes in this region, but we can.” He proudly handed us a couple of glasses for us to taste and said, “This wine was stored in barrels made in Portugal with American oak”. Pedro went on to say “Making wine in stainless steel, glass or plastic containers is not the same thing as in wood barrels … fermentation dictates the quality of the wine.”

This process influences the aroma and enhances the stability and complexity of the wine. Pedro told us that the flavor is influenced by well cultivated and ripened grapes which resemble certain fruits. Cabernet Sauvignon resembles red fruits like cherry, blackberry.  Chardonnay can have hints of apple, peach, and other citrus fruits. Vidal blanc can have hints of pineapple, kiwi, melon.

The winery makes about 25 varieties of wine annually. From whites, reds, rosé and portlike, all are 100% estate grown, vinted, and bottled. Some of the grapes used in making their wines include Chardonnay, Vidal Blanc, Cabernet Franc, Cabernet Sauvignon, Merlot and some unique grapes for port-style wines.

Pedro always had the desire to make a port-style dessert wine. Building on the excellent outcome, he had growing Merlot grapes, he decided to try making it. This initiated the idea of starting a new line of products like liquors and brandies.

He said, “The winery is very busy from spring to fall with the planting and caring of the vines, harvesting, crushing, pressing, and bottling wine from the previous year. During the winter months, other than tending to the wine, there is little going on. The distillery helps to keep us busy during this time.”

In 2014, RB Distillery was added and they started using grape mash, which is the leftover product after the grapes are pressed (grape skins, seeds, and stems). Pedro said, “In the past, the mash was discarded” but now it’s distilled by boiling the mash to create vapor and then condensing it into alcohol to make brandy with a blend of Running Brook grapes.

In 2016, RB Distillery expanded its distillery line, and now has 3 brandies, as well as grappa and a variety of brandy-based liqueurs. Pedro said, “We also started making our award-winning aguardente, liquors, and brandies in small batches, and this year we won the Best of the Best in Southern New England.” After having a taste of an excellent RB aguardente we headed out for a tour of the vineyards.

“This is what I do for fun. I have a great passion for the grapes and love to be outside in the vineyard taking care of the plants to make sure they grow healthy.”

As we crossed a large open field between the winery and the vineyards, Pedro said, “We’ve had a few good parties here. Recently we had about 1500 people attending a “Badfish” concert and last August we had “Living on a Bad Name” a Bon Jovi Tribute band. They were both great events.Running Brook Winery has entertainment every weekend.

 

We found out that Pedro is a big lover of fado, a music genre often referred to as the soul of Portugal. Over the years there have been many fado events at the winery. Some of his favorite singers include Amália Rodrigues, Maria Emilia and his friend Ricardo Ribeiro. He told us that, when he lived in California, he went to a concert by Amália Rodrigues, known as the Queen of Fado. On his way there, the car broke down and to his disappointment, he missed the show!

Once we were in the vineyard, surrounded by miles of grapevines, we could see Pedro’s enthusiasm when he told us, “This is what I do for fun. I have a great passion for the grapes and love to be outside in the vineyard taking care of the plants to make sure they grow healthy.”

As we walked through the vineyard, Pedro had us pick and taste some of the grapes and told us about their different characteristics. Some of the varieties we saw or tasted were the Vidal Blanc, Chardonnay, Pinot Gris, Pinot Noir. Merlot, Cabernet Franc, St. Croix, Petit Verdot Sauvignon Blanc, and the Cabernet Sauvignon.

Pedro explained to us that the Cabernet Sauvignon comes from two Bordeaux parent grapes, This new vine is the result of crossing Cabernet Franc and Sauvignon Blanc. It was not considered a noble grape until about  40-50 years ago. It is now an amazing and expensive wine. He said, “I think the most expensive bottle of wine is a Merlot but the Cabernet Sauvignon is up there too. As you can see the Bordeaux reds make the best wines in the world.”

All the vines at Running Brook are grafted. It’s a process of connecting a small cutting from the desired grapevine to an established root system of another grapevine that is more disease and cold weather resistant.

The vineyard is part of the Southeastern New England Wine Growing Appellation. It’s a cool-climate grape growing region featuring vinifera, hybrids and sparkling wines. The region stretches from the Cape and the Islands through South Coastal Massachusetts, Coastal Rhode Island and Coastal Connecticut, and captures the warm gulf stream waters in the summer and fall.

California vineyards, with lots of heat and irrigation, can produce up to 8 tons of grapes per acre. Colder climates like the East Coast can produce about 2 tons per acre. Therefore, Pedro has a smaller crop but he thinks he has more flavors and better quality.

Small local vineyards and wineries are important in the local food movement. Pedro said, ”More people are looking for the local taste, and grapes grown in this region have their own unique taste.” He went on to say, “Locally grown grapes have their own unique taste because of the soil and the climate where they are cultivated”. These unique properties of the grapes complement local produce, livestock, and fish.

Running Brook, the second largest winery in New England, is a member of the South Eastern Coastal Coastal Wines Wine trail. Pedro told us, “I’m not satisfied with being number two, but size isn’t everything.” As he expands his vineyards, he plans to enlarge the winery by adding a function room with decks overlooking the vineyards.

Pedro and Manuela would like to see the Running Brook legacy continue through their children. They are very happy with what the vineyard brings to their lives. They imagine this/the place as a sustainable local business making a difference in the local economy, as well as a great place for families to visit and enjoy the outdoors. As we left Pedro said, “I can’t imagine my life without the vineyard.”

Sao Martinho season is a time to enjoy wine and roasted chestnuts. Vsiting Running Brook made us feel Portugal in Dartmouth.

To learn more about Running Brook products visit their website here.

Ver artigo em Português

Dentista Português da Nova Inglaterra com paixão pela vinicultura e amor pelo fado.

“No dia de São Martinho vai-se à adega provar o vinho” é um velho ditado utilizado nesta época do ano em Portugal. O dia de São Martinho, no dia 11 de novembro, é quando os produtores de vinho provam o vinho novo do ano, e é tradicionalmente servido com castanhas assadas, o chamado “Magusto”.

A revista Feel Portugal visitou recentemente a Adega e Vinha Running Brook. Entramos na propriedade por uma pitoresca estrada rural ladeada de árvores e muros de pedra. Pedro Teixeira, um dentista português em Pawtucket, Rhode Island, e a sua esposa Manuela receberam-nos de braços abertos para nos mostrarem a sua vinha e provar-mos alguns dos vinhos e licores que produzem.

Era época de colheita, uma época do ano bem movimentada em que os visitantes da vinha podem ver as uvas serem cortadas na vinha pelos trabalhadores de campo que depoisa as levam para a adega para serem esmagadadas e prensadas. Uma vez dentro da adega, os visitantes podem saborear uma grande variedade de vinhos de qualidade produzidos localmente.

Quando entramos na adega, encontramos Manuela a engarrafar um lote limitado de Cabernet Sauvignon da colheita de 2017. Enquanto esperávamos pelo Pedro, Manuela contou-nos sobre a paixão do Pedro pela vinicultura. Tudo começou pela influência do seu avô quando ele era mais jovem. Ele ajudava o avô e gostava de o acompanhar nas caminhadas que faziam pelas vinhas.

Pedro e Manuela saíram da ilha de São Jorge, Açores. Pedro saiu com seus pais quando tinha 2 anos de idade e Manuela quando tinha 22 anos. Os dois conheceram-se na Califórnia e casaram-se quando Pedro ia para a faculdade. Eles então mudaram-se para Ohio, onde Pedro foi para a faculdade de odontologia. Após a sua graduação, ambos se mudaram para a costa leste, onde estabeleceram um consultório odontológico. “Aqui sentimo-nos em casa”, disse Manuela.

A ideia de ter uma vinha começou no consultório odontológico. Pedro gostava de conversar com muitos de seus pacientes que tinham videiras nos seus quintais. Um dia conheceu Manuel Morais, um de seus pacientes, que conhecia as uvas e que desenvolveu um estilo de poda das cepas para regiões viniculas de clima frio, os chamados “enxertos altos”, um processo que Pedro nos explicaria mais tarde.

Os dois visitaram muitas vinhas e adegas e decidiram começar a cultivar as suas próprias uvas Vitis Vinifera para produzir vinhos de qualidade no sudeste da Nova Inglaterra. Em 1998, Pedro Teixeira e Manuel Morais adquiriram terras para cultivar em Westport, MA, e mais tarde, compraram 167 acres de terra em North Dartmouth, MA, onde construíram a estrutura onde a adega está agora localizada. Em 2015, Morais reformou-se aposentou do Running Brook e mudou-se para a Carolina do Norte, e Teixeira continuou com a vinha.

“Fazer vinho em recipientes de aço inoxidável, vidro ou plástico não é a mesma coisa que nos barris de madeira … a fermentação é que dita a qualidade do vinho.”

Pedro passa o seu tempo entre seu consultório odontológico e a Vinha Running Brook. Enquanto caminhava na nossa direção, com um grande sorriso, disse-nos: “Hoje é meu dia de folga e este é o meu alívio de stress.” e continuou contando acerca dos desafios e sucessos de explorar uma vinha e uma adega no clima refrigerado da Nova Inglaterra.

Enquanto Manuela e Ian Edwards, o Gerente de Operações, ainda estavam a engarrafar o Cabernet Sauvignon, Pedro apontou para dois pequenos barris de carvalho e disse: “Eles dizem que não se consesegue cultivar estas uvas nesta região, mas nós conseguimos.” Trouxe-nos um par de copos para provarmos o vinho e disse-nos: “Este vinho foi armazenado em barris feitos em Portugal com carvalho Americano”. Pedro continuou dizendo: “Fazer vinho em recipientes de aço inoxidável, vidro ou plástico não é a mesma coisa que em barris de madeira … a fermentação é que dita a qualidade do vinho.”

Este processo influência o aroma e aumenta a estabilidade e a complexidade do vinho. Pedro disse-nos que o sabor do vinho é influenciado por uvas bem cultivadas e bem amadurecidas, que nos lembram certas frutas. O Cabernet Sauvignon lembra frutas vermelhas como cereja e amora. O Chardonnay pode ter dicas de maçã, pêssego e outras frutas cítricas. Vidal blanc pode ter dicas de abacaxi, kiwi, melão.

A adega produz cerca de 25 variedades de vinho por ano. Desde brancos, tintos, rosé e tipo porto, são todos 100% produzidos, envelhecidos e engarrafados na propriedade. Algumas das uvas usadas no fabrico destes vinhos incluem o Chardonnay, o Vidal Blanc, o Cabernet Franc, o Cabernet Sauvignon, o Merlot e algumas uvas exclusivas para vinhos do tipo porto.

Pedro sempre teve o desejo de fazer um vinho de sobremesa estilo porto. Com base no excelente resultado de algumas experiências, ele teve umas uvas Merlot extra, e decidiu tentar fazê-lo. Isto deu inicio à ideia de criar uma nova linha de produtos como licores e aguardentes.

 

Ele disse: “A vinha dá muito trabalho da primavera ao outono com a plantação e o tratamento das videiras depois com a colheita, esmagamento, prensagem e engarrafamento do vinho do ano anterior. Durante os meses de inverno, além de cuidar do vinho, há pouca coisa a fazer e a destilaria ajuda a manter-nos ocupados durante essa época.

Em 2014, a RB Distillery foi adicionada e eles começaram a usar o mosto de uva, que é o produto que sobra depois que as uvas estarem prensadas (casca de uva, sementes e caules).  “No passado, o mash era desperdiçado”, disse-nos Pedro, mas agora é destilado fervendo o mosto para criar vapor e depois condensando-o em álcool para fazer conhaque com uma mistura de uvas Running Brook.

Em 2016, a RB Distillery expandiu sua linha de destilaria e agora tem 3 brandies, além da aguardente e uma variedade de licores à base de brandy. Pedro disse: “Também começámos a fazer as nossas premiadas aguardentes, licores e brandies em quantidades reduzidas, e este ano ganhamos o Melhor dos Melhores do Sul da Nova Inglaterra.” Depois de saborearmos uma excelente aguardente RB, saímos para visitar as vinhas.

“Isto é o que eu faço para me divertir, tenho uma grande paixão pelas uvas e um amor em estar cá fora na vinha a cuidar das plantas para garantir que elas crescem saudáveis ”

Ao cruzarmos um grande campo aberto entre a adega e a vinha, o Pedro contou-nos “Tivemos algumas boas festas aqui. Recentemente, tivemos cerca de 1500 pessoas a participar num concerto dos “Badfish” e em agosto passado tivemos os “Living on a Bad Name”, uma banda de trubuto ao Bon Jovi, ambos foram grandes eventos. ”E nós temos entretenimento todos os fins de semana”.

Descobrimos também que o Pedro é um grande amante do fado, um género musical frequentemente referido como a alma de Portugal. tendo havido ao longo dos anos vários eventos de fado na adega. Alguns dos seus cantores favoritos incluem Amália Rodrigues, Maria Emilia e o seu amigo Ricardo Ribeiro. Ele disse-nos que, quando morou na Califórnia, foi a um concerto de Amália Rodrigues, conhecida como a Rainha do Fado. A caminho de lá, o carro avariou e para sua decepção, ele não teve oportunidade de ver o espetáculo!

Quando já estávamos na vinha, cercados por quilômetros de videiras, pudemos ver o entusiasmo do Pedro quando ele nos disse: “É isto que eu faço para me entreter. Eu tenho uma grande paixão pelas uvas e um amor em estar cá fora na vinha a cuidar das plantas para garantir que elas crescem saudáveis ”.

Continunando a caminhada pela vinha, Pedro nos fez escolheu e deu-nos a provar algumas das uvas e contou-nos sobre as suas diferentes características. Algumas das variedades que vimos ou provamos foram o Vidal Blanc, o Chardonnay, o Pinot Gris, o Pinot Noir. Merlot, Cabernet Franc, St. Croix, Petit Verdot Sauvignon Blanc e Cabernet Sauvignon.

Pedro explicou-nos que o Cabernet Sauvignon vem de duas castas mãe da zona de Bordeaux, Esta nova casta é o resultado do cruzamento de Cabernet Franc e Sauvignon Blanc. Até à cerca de 40-50 anos atrás não era considerada uma casta nobre mas agora faz um vinho incrível e caro. e adiantou “Acho que a garrafa mais cara de vinho é um Merlot, mas o Cabernet Sauvignon também está lá em cima. Como podem ver, os tintos de Bordeaux são os melhores vinhos do mundo ”.

Todas as videiras do Running Brook são enxertadas. É um processo que consiste em conectar num pequeno corte da videira desejada a um sistema de raízes estabelecido numa outra videira mais resistente às doenças e aos climas mais frios.

A vinha faz parte da denominação de vitivinicultura do sudeste da Nova Inglaterra. É uma região de cultivo de uvas de clima frio com castas hibridas e vinhos espumantes. A região estende-se desde o Cape Cod e Ilhas até ao litoral sul de Massachusetts, Rhode Island e costa de Connecticut, esta região sente no verão e no outono, a influencia dos ares humidos e quentes provenientes do Golfo.

As vinhas da Califórnia, têm muito calor e irrigação, e podem produzir até 8 toneladas de uvas por hectar. Climas mais frios como o da Costa Leste podem sómente produzir cerca de 2 toneladas por hectar. Portanto, o Pedro pode ter uma colheita menor, mas ele acha que tem mais diversidade de sabores e melhor qualidade.

As pequenas vinhas e adegas locais são importantes no movimento alimentar local. O Pedro contou-nos que “Mais pessoas estão a procurar o sabor local, e as uvas cultivadas nesta região têm seu próprio sabor único”. Ele continuou: “As uvas cultivadas localmente têm seu sabor único por causa do solo e do clima onde elas estão cultivadas ”. Estas propriedades únicas das uvas complementam outros produtos locais produtos locais, tal como o gado e o peixe.

A Adega Running Brook, é a segunda maior adega da Nova Inglaterra, é membro do trilho South Coastal Coastal Wines Wine e o Pedro terminou dizendo, “Eu não estou satisfeito em ser o número dois, mas o tamanho não é tudo.” Enquanto expande a sua vinha, ele planeia ampliar a adega adicionando uma sala de eventos com terraços com vista para a vinha.

Pedro e Manuela gostariam que o legado do Running Brook continuasse na familia através dos seus filhos, pois estão muito felizes com o que a vinha traz para as suas vidas. Eles imaginam este lugar como um negócio local sustentável e que faz a diferença na economia local, bem como um ótimo lugar para as famílias visitarem e aproveitarem o ar livre. Quando iamos a saír, Pedro disse-nos: “Não consigo imaginar a minha vida sem a vinha”.

A estação de São Martinho é uma boa altura para visitar a adega Running Brook e provar os novos vinhos e saborear as castanhas assadas. Esta visita à Vinha & Adega Running Brook fez-nos sentir Portugal em Dartmouth.

Para saber mais acerca dos produtos Running Brook, visite o website deles aqui.

The Winery Photos

Share.

About Author

Paulo Martins and Feligenio Medeiros are the co-founders and editors of the digital magazine FEEL PORTUGAL IN THE USA.

Leave A Reply