Live Updates COVID-19 CASES
  • USA 5,377,620
    USA
    Confirmed: 5,377,620
    Active: 2,392,569
    Recovered: 2,815,596
    Death: 169,455
  • Brazil 3,180,758
    Brazil
    Confirmed: 3,180,758
    Active: 766,753
    Recovered: 2,309,477
    Death: 104,528
  • Canada 120,844
    Canada
    Confirmed: 120,844
    Active: 4,690
    Recovered: 107,148
    Death: 9,006
  • Portugal 53,548
    Portugal
    Confirmed: 53,548
    Active: 12,838
    Recovered: 38,940
    Death: 1,770
  • Cabo Verde 3,000
    Cabo Verde
    Confirmed: 3,000
    Active: 795
    Recovered: 2,172
    Death: 33
  • Mozambique 2,638
    Mozambique
    Confirmed: 2,638
    Active: 1,604
    Recovered: 1,015
    Death: 19
  • Angola 1,762
    Angola
    Confirmed: 1,762
    Active: 1,105
    Recovered: 577
    Death: 80
  • Timor-Leste 25
    Timor-Leste
    Confirmed: 25
    Active: 1
    Recovered: 24
    Death: N/A
Keep us connected

A globe with four meters in diameter, covered with Portuguese cobblestone, is the central element of Praça do Emigrante, in Ribeira Grande, a new public space in São Miguel, Azores.

“That theme [immigration]gave me strength. Not being an artist, I designed a public art piece of this dimension,” told Lusa agency Luís Silva, who created and designed the globe “Saudades da Terra”.

Luso Ads

New square honors immigrants - O globo Saudades é uma obra de Luís Silva, assente numa pedra de basalto negro que representa as ilhas. Photo: EDUARDO
O globo Saudades é uma obra de Luís Silva, assente numa pedra de basalto negro que representa as ilhas. Photo: EDUARDO

The piece dominates the Praça do Emigrante (Immigrant’s Square), in the city of the north coast of São Miguel, an urban public space that the Ribeira Grande municipality opens on July 26.

The name of the globe, “Saudades da Terra”, corresponds to the expression that Gaspar Frutuoso – “The first distinguished Azorean immigrant, son of the island of São Miguel and vicar of the then town of Ribeira Grande – used in the 16th century to sum up a greater feeling, common to emigrants,” underlines the website dedicated to the Praça do Emigrante project.

In the center of the new square, which is about half the size of a soccer field, the globe represents the Earth, with Portuguese sidewalk cladding (black and white limestone from Portugal). The piece is set on a black basalt stone, with 1.4 meters high and 3.5 meters in diameter.

The globe “is the world, the Azores and the Azoreans around the world, and the basalt represents the islands”, pointed out Luís Silva, highlighting the role of the Azorean Emigrants Association and Ribeira Grande City Hall, for having “supported the project from the beginning”.

The new square, with an area of approximately 4,000 square meters, is located in front of the Archipelago – Contemporary Arts Center.

The floor design of the surrounding area of the globe is 10 meters in diameter and is by the artist Luke Marston, from the Salish people of Vancouver Island, Canada, one of the main destination countries for Azorean immigration.

The drawing is already part of a public art piece developed by Luke Marston. His “goal is to honoring his ancestors, including the Portuguese Joe Silvey (José Simas), a whaler, an adventurer, a pioneer and, for his many descendants, a family man,” explained Luís Silva, who also said that “the interconnected waves of the sea symbolize those that hit the coast of the Azorean islands and all the continents and islands where they are Azorean.

The author pointed out that the use of this design in the ‘Saudades da Terra’ project was an offer by Luke Marston, “in recognition of the support of several Azorean entities to the ‘Shore to Shore’ project.

The tribute to the immigrant José Simas on the island of Vancouver, in the province of British Columbia, motivated him to make the public art piece in the Azores.

Luís Silva, whose grandfather was an immigrant in Brazil, hopes that this new space can be “a reflection place for the second, third, fifth and sixth generations”.

The Immigrant Square is also composed by ‘Calçada dos Mundos’, designed by Liliana Lopes. It is completed by two murals, created by Luís Silva, one of them with flags of the main Azorean immigration destinations (Bermuda, Brazil, Canada, United States of America, Hawaii, and Uruguay).

Luso Ads

On the other mural are being placed personalized plates of people and companies that associate themselves to this tribute through donations, added to the support of the municipality.

“The project has already had the voluntary support of many people,” said Luis Silva, highlighting on a mural is composed of “a brick panel where the name of emigrants or relatives and all those who sponsored the piece of public art”, through monetary donation to the Association of Immigrants.


You might like to read:


Luís Silva said that the municipality has signed a protocol with the non-profit association to ensure the cultural animation of the new space, in collaboration with the municipality.

On the official website of the Praça do Emigrante, the mayor, Alexandre Gaudêncio, stressed that “there was a lack of great homage to all the ” immigrants “.

“Come with this imponent Praça do Emigrante, a large space, where we want everyone to feel the pride and affection that we have for our emigrants”, he stresses.

Artigo em Português

Açores: Nova praça presta homenagem ao emigrante na Ribeira Grande

Um globo com quatro metros de diâmetro, revestido a pedra de calçada portuguesa, constitui o elemento central da Praça do Emigrante, na Ribeira Grande, um novo espaço público em São Miguel, nos Açores.

“Esse tema [a emigração]deu-me força. Não sendo artista, projetei uma peça de arte pública desta dimensão”, afirmou à agência Lusa Luís Silva, que concebeu e desenhou o globo “Saudades da Terra”.

New square honors immigrants - O globo Saudades é uma obra de Luís Silva, assente numa pedra de basalto negro que representa as ilhas. Photo: EDUARDO
O globo Saudades é uma obra de Luís Silva, assente numa pedra de basalto negro que representa as ilhas. Photo: EDUARDO

A peça domina a Praça do Emigrante, na cidade da costa norte de São Miguel, um espaço público urbano que a autarquia da Ribeira Grande inaugura no dia 26 de julho.

A designação do globo, “Saudades da Terra”, corresponde à expressão que Gaspar Frutuoso – o primeiro açoriano “emigrante ilustre, filho da ilha de São Miguel e vigário da então vila da Ribeira Grande – utilizou no século XVI para resumir um sentimento maior, comum aos emigrantes”, sublinha o sítio na internet dedicado ao projeto da Praça do Emigrante.

No centro da nova praça, que tem a dimensão aproximada de metade de um campo de futebol, o globo representa a Terra, com revestimento de calçada portuguesa (calcário branco e negro do continente português). A peça assenta numa pedra de basalto negro, com 1,4 metros de altura e 3,5 metros de diâmetro.

O globo “é o mundo, os Açores e os açorianos pelo mundo; o basalto representa as ilhas”, apontou Luís Silva, salientando o papel da Associação de Emigrantes Açorianos e da Câmara Municipal da Ribeira Grande, por terem “apoiado o projeto desde o início”.

A nova praça, com uma área aproximada de 4.000 metros quadrados, localiza-se em frente ao Arquipélago – Centro de Artes Contemporâneas.

O desenho do piso da área envolvente do globo tem 10 metros de diâmetro e é da autoria do artista Luke Marston, do povo Salish, da ilha de Vancouver, no Canadá, um dos principais países de destino da emigração açoriana. 

O desenho já faz parte de uma peça de arte pública desenvolvida por Luke Marston com “o objetivo de honrar os seus antepassados, incluindo Portuguese Joe Silvey (José Simas), um baleeiro, um aventureiro, um pioneiro e, para os seus muitos descendentes, um homem de família”, explicou Luís Silva, acrescentando que as “ondas do mar que se entrelaçam simbolizam as que batem na costa das ilhas açorianas e em todos os continentes e ilhas onde estão açorianos”.

O autor referiu que a utilização deste desenho no projeto “Saudades da Terra” foi uma oferta de Luke Marston, “em reconhecimento do apoio de várias entidades açorianas ao projeto ‘Shore to Shore’”.

A homenagem ao emigrante José Simas na ilha de Vancouver, na província da Columbia Britânica, motivou-o a realizar a peça de arte pública nos Açores. 

Luís Silva, cujo avô esteve emigrado no Brasil, espera que este novo espaço possa ser “um lugar de reflexão para as segundas, terceiras, quintas e sextas gerações”.

A Praça do Emigrante é também composta pela Calçada dos Mundos, concebida por Liliana Lopes. Completam-na dois murais, criados por Luís Silva, um deles com bandeiras dos principais destinos da emigração açoriana (Bermudas, Brasil, Canadá, Estados Unidos da América, Havai e Uruguai).

No outro mural estão a ser colocadas placas personalizadas das pessoas e empresas que se associam a esta homenagem através de donativos, somados ao apoio da autarquia.

“O projeto já teve o apoio voluntário de muitas pessoas”, contou Luís Silva, destacando num mural é composto por “um painel de tijolos onde pode figurar o nome dos emigrantes ou familiares e de todos os que patrocinaram a peça de arte pública”, através de doação monetária à Associação de Emigrantes.


Talvez goste de ler:


Luís Silva adiantou que o município assinou um protocolo com a associação sem fins lucrativos para que esta assegure a animação cultural do novo espaço, em colaboração com autarquia.

No sítio oficial da Praça do Emigrante, o presidente do município, Alexandre Gaudêncio, frisa que “faltava uma homenagem em grande a todos os “emigrantes”.

“Chega com esta imponente Praça do Emigrante, um espaço amplo, onde queremos que todos sintam o orgulho e o carinho que temos pelos nossos emigrantes”, salienta.

APE // ROC

Share.

About Author

Leave a Reply

en_USEnglish
pt_PTPortuguês en_USEnglish